Como Escrever Diálogos

Escrever diálogos, é a arte de transmitir ao leitor, artefatos que o ajudem a imaginar as intenções e situações que o personagem está envolvido, e neste artigo veremos as formas de como escrever diálogos.

Como escrever diálogos

Para escrever diálogos com clareza é fundamental conhecer as variações e as estratégias que podem ser utilizadas para esta finalidade.

Para isso, selecionei algumas dicas de como trabalhar as palavras para obter um diálogo eficaz.

Constituição do diálogo
O dialogo é constituído por Discursos e Incisos, que formam uma estrutura.

Os Discursos são as palavras diretas dos personagens, dentro da conversa.

Os Incisos são os recursos de esclarecimentos feitos pelo narrador, que servem para indicar o personagem na cena.   Eles indicam as reações, pensamentos, sentimentos, que os personagens têm enquanto estão falando.

Exemplo:

– A conversa acaba aqui. – disse ela, virando as costas.

Discurso                        Inciso

Formas de Representação dos Diálogos
Para representar os diálogos existem diversas formas, veremos a seguir.

Forma tradicional
Esta forma de diálogo é representada com um travessão no início da frase e quando necessita de algum esclarecimento sobre quem fala.

Exemplo:
– Parece que ele está chegando. – disse ela, um tanto assustada.

Forma tradicional anglo-saxã
Esta forma de escrita de diálogos, utiliza aspas no lugar de travessão.

Exemplo:
“Ouço alguma coisa batendo”, disse ela. “Parece que a porta ficou aberta.”

As aspas também podem ser usadas para representar um pensamento.

Formas de expressar
Podemos adicionar efeito ao diálogo, aplicando variações com as pontuações corretas.

Exemplos:
– Você chegou agora. – disse Mariana.
– Você chegou agora? – perguntou Mariana.
– Você chegou agora! – gritou Mariana.

Outra forma que pode ser empregada ao produzir diálogos sem a repetição de expressões,é utilizando travessão somente no início das falas.

Adicione efeito ao dialogo
Cada personagem possui sua característica e, elas devem ser passadas aos leitores de forma a ampliar o efeito e resultado da fala.

Para isso, existe o efeito qualificativo, onde são utilizados adjetivos e advérbios para qualificar o personagem.

Exemplos:
– Demorou, mas você está de volta – disse Alberto

Esta frase cabe bem quando não há nenhum estado de ânimo do personagem, porém você pode empregar um efeito correspondente.

– Demorou, mas você está de volta – disse Alberto, ameaçador.
– Demorou, mas você está de volta – disse Alberto, boquiaberto.
– Demorou, mas você está de volta – disse Alberto, timidamente.
– Demorou, mas você está de volta – disse Alberto, apaixonadamente.

Para ampliar ainda mais o efeito na forma de transmitir a emoção do momento, você pode adicionar detalhes para enriquecer a cena

Desta forma você leva o leitor a captar os movimentos do personagem, dando mais vivacidade a cena.


Resumo de como construir diálogos
Para gerar interesse dos leitores, os diálogos devem ser dinâmicos, isso incluí; dados significativos e contrastes de opiniões diferentes.Como escrever diálogos

Podemos seguir alguns passos para construção de bons diálogos:

  • Defina qual é a intenção da conversa.
  • Monte fichas completas dos personagens, para saber quem são eles e, modo como falam.
  • Deixar claro, seo ambiente que os personagens estão, sugere o diálogo, ou o diálogo em si, sugere o ambiente.
  • Diluir informações importantes ao longo dos diálogos, não as deixar acumular para despejar de uma só vez.
  • Só pontuar os diálogos com interjeições e interrogações se forem realmente necessários.
  • O diálogo deve aparentar ser real para os leitores.
  • Recorrer sempre à personalidade e experiência do personagem, nunca o escritor deve interferir com suas próprias experiências.
  • Criar cenários em que o diálogo seja realmente necessário, sem que os personagens sejam forçados a falar coisas sem sentido para a história.
  • Limitar o uso do verbo “dizer”, e eliminá-lo sempre que possível.
  • Substituir o verbo “dizer”, por outros que atendem a necessidade da cena.
  • Ao dialogar, os personagens não devem contar sua própria biografia, a menos que seja muito necessário.
  • Avaliar a quantidade de diálogos de uma cena, e determinar um limite.
  • Se for utilizar dialetos, é bom garantir que os leitores entenderão corretamente o significado.
  • Mostrar ao leitor, as emoções dos personagens e não simplesmente menciona-las.

O diálogo é algo que deve fluir, e quanto mais natural, melhor a qualidade e coerência apresentada ao leitor.
Ao elaborar um diálogo, podemos seguir alguns passos e realizar algumas perguntas para melhorar a perspectiva dos diálogos:
– Definir qual é a finalidade do diálogo, aonde quer chegar com ele, e o pretende apresentar?
– Quem são os personagens que participarão do diálogo?
– Qual o estado emocional dos personagens dentro do diálogo?
– O diálogo será para resolver um problema, ou para adicionar uma dúvida?
– A cena após o diálogo continuará na mesma linha?

Até breve
Helder Diório

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *